E SE ALGUÉM SOUBESSE A RESPOSTA?

Diga: Sim, podes!

Seja flexível … consigo!


Por:Maria Monteiro

fotografia Jordam whitt
2016-03-11
Deixe as crianças chorar quando precisam, abrace-as, console-as e diga-lhes que está disponível para ela nesse momento de fúria, de tristeza, de frustração...

Podes chorar, podes sujar-te, podes correr, podes brincar livremente, podes não gostar de favas, podes levantar-te e sair um pouco da sala de aula.

 

O pediatra Carlos Gonzalez defende que deve dizer-se sim a uma criança sempre que possível, desde que isso não prejudique ninguém.

 

Na realidade, o que é que a criança não pode fazer? Aquilo que é perigoso para si e para os outros.

 

E o que é que os pais não podem fazer? Deixar as crianças sem vigilância de um adulto.

 

E o que se diz por aí do chorar das crianças? - Não chores; És mesmo pieguinhas; para já de chorar se não …; estás sempre a chorar; Já não te posso ouvir!

 

Quando você chora, porque é que chora? Como se sente quando chora? O que é que precisa quando chora? Faz-lhe bem chorar? É natural chorar?

 

Deixe as crianças chorar quando precisam, abrace-as, console-as e diga-lhes que está disponível para ela nesse momento de fúria, de tristeza, de frustração...

 

E o que ouvimos dizer por aí acerca do sujar-se? – Se te sujas, apanhas; que grande porcalhão; vais estragar esse casaquinho tão bonito, levanta-te do chão, não te sujes; o que é que a tua mãe vai dizer!?

 

Afinal acredita ou não que é muito importante para o seu filho brincar, dançar, pôr a “mão na massa”, fazer papinhas, misturar tintas, empilhar pedras, em diferentes espaços e contextos e que são estas atividades e experiências variadas que estimulam o seu desenvolvimento global. Quando o seu filho chega a casa sujo, com um arranhão e as calças rotas provavelmente teve um ótimo dia e traz histórias para contar. (link)

 

O que ouvimos acerca do correr … parece que para os pais e adultos tudo é perigoso… Quando é realmente perigoso não há dúvidas e não se permite à criança fazê-lo. Já não se lembra do bom que era correr, correr, correr até não poder mais? Não me diga que não o deixavam correr quando era criança? 

 

E aquelas crianças que não conseguem estar sentadas na sala de aula, duas horas sossegadas e obedientes na sua mesa? Diga: sim, podes ir lá fora arejar e voltar para a sala. Será que tem medo que ela vá e não volte? Que todos os meninos queiram ir lá fora? É pouco provável que tal aconteça. 

 

E você consegue estar sentado na sua mesa sossegado e atento duas horas? Quem é que consegue? Os que conseguem são poucos e já nasceram com essas competências e provavelmente a profissão e ocupações profissionais futuras estarão de acordo com essas características e competências. Serão crianças hiperativas com défice de atenção? São crianças! Sim! Cheias de energia e saudáveis! Ávidas de experiências com pais hipo ativos que querem sopas e descanso, passear de carro, ter a casa limpa, os filhos aprumados e imaculados como se fossem todos os dias a um batizado numa grande igreja! (link)

 

Quer ensinar o seu filho a ser disciplinado, obediente, e a ter limites? Mas o que é que isso significa para si? O que é ser disciplinado? É estar sentado, bem comportado, sem chorar, sujar-se, correr ou brincar livremente? Quer que ele seja obediente em que situações? Obediente a quem? E os limites? São limitações? É proibir? (link)

 

As crianças aprendem muito através do exemplo prático, das vivências com os pais e com os adultos mais próximos de si no seu dia-a-dia. Sim! Não é do exemplo da televisão, nem dos jogos, nem do blá, blá, blá dos sermões e ameaças que fazem efeito momentâneo pelo medo. (link)

 

E quando o que dizem não coincide com o que fazem ficam confusos; e se os obrigam a fazer o que não faz sentido, ficam frustrados; E se os castigam sem haver coerência e justiça, ficam com raiva!

 

Quer que o seu filho seja capaz de tomar iniciativa para concretizar os seus projetos e sonhos, quer que ele supere os limites, quer que ele tenha opinião crítica? O que quer para o seu filho?

 

Seja flexível … consigo! Sim, consigo própria! Não há uma verdade, a verdade! Há relações entre as pessoas, circunstâncias, momentos com os nossos filhos. Concentre a sua atenção no que lhe vai no coração!

 

Como aconselha o pediatra Mário Cordeiro “devemos divertir-nos mais com coisas naturais, não dispendiosas, e ensinar as crianças a amarem a vida e a balizarem os comportamentos pela ética” e para isso temos que ser exemplo, e quando errarmos, aceitar o erro, conversar sobre isso e seguir caminho. Este pediatra refere ainda que ”Confundir o Bem e o Mal e desculpar ou branquear o Mal é um dos problemas com que nos enfrentamos. Simplicidade, humildade, cultura, divertimento com coisas pequenas, relações interpessoais e não meramente em redes sociais… enfim, fica uma ideia. Mas, note-se, não defendo, pelo contrário, o regresso à Idade das Cavernas!” (link)

 

Já reparou na enorme quantidade de ordens que as crianças obedecem num dia, desde que se levantam até que se deitam? (link)

 

por Maria Monteiro