E SE ALGUÉM SOUBESSE A RESPOSTA?

Estilos e Práticas Educativas Parentais II

Comportamentos específicos dos pais


Por:Maria Monteiro

2016-05-17
Os pais podem conhecer e aprender a observar as características das suas práticas parentais abordadas no artigo anterior

Os pais podem conhecer e aprender a observar as características das suas práticas parentais (PP) abordadas no artigo anterior, e o estilo educativo-parental (EEP) que utilizam preferencialmente na educação dos filhos. Os EEP definem-se por um conjunto de atitudes parentais aplicadas nos vários contextos onde ocorre a socialização como o desempenho académico, a promoção da auto-estima, desenvolvimento da autonomia entre outros aspectos que são componentes da relação entre pais e filhos. (Darling e Steinberg, 1993) Link

 

As PP e os EEP foram identificados e descritos por vários autores que se dedicaram ao seu estudo ao longo do tempo e em diferentes contextos. Para um destes autores, Baumrind, a sua preocupação era avaliar a influência que os EEP tinham no desenvolvimento do individuo dando especial atenção à dimensão comportamental e afectiva, bem como ao bem-estar psicológico das crianças. Link

 

Dentro de uma família os pais podem utilizar mais do que um EEP para lidar com os desafios do dia-a-dia e por vezes os comportamentos e atitudes do pai e da mãe não têm na base o mesmo EEP. Apesar das diferenças ou desvios em contextos e acontecimentos pontuais há um padrão. Há uma forma típica de reagir que se repete e que é característica desse estilo de educar, nessa família, e que é reconhecido e aprendido (muito facilmente) pelos filhos. 

 

Voltando à situação do artigo do mês anterior “O seu filho de 12 anos diz-lhe: ‘Porque é que eu tenho de tratar do cão e ir deitar o lixo ao contentor? A mãe do Pedro não o manda fazer essas coisas todas! Não estás a ser justo! Os miúdos não deviam ter de fazer este trabalho todo. Ninguém tem de fazer tanto como eu faço’. O que responderia? 

 

Aqui ficam as possíveis respostas típicas de cada EEP e respectiva dimensão Controlo, Suporte/afeto.

 

Resposta do estilo Autoritário: - vais porque eu mando e não te ponhas com coisas senão ainda levas porrada … anda a gente a trabalhar todos os dias para ouvir estas coisas… e sai-me daqui que já não te posso ouvir! (muito Controlo, pouco Suporte/afeto).

 

Resposta do estilo Permissivo/indulgente: - achas? não tinha pensado nisso! Pronto, deixa lá que eu faço … desculpa … talvez tenhas razão … estou a sobrecarregar-te. (pouco Controlo, muito Suporte/afeto).

 

Resposta estilo Permissivo/indiferente: - deixa-me, estou a ler o jornal. (Pouco controlo, pouco Suporte/afeto).

 

Resposta estilo Autorizado/Orientador: - estou a ver que estás cansado e aborrecido e não te apetece nada e ir fazer estas tarefas…Somos uma família e tu fazes parte dela e é importante que cuidemos da nossa casa e das nossas e responsabilidades. Todos os dias há tarefas (…) que são distribuídas por todos (…) é importante para nós que participes e aprendas. Queres que vá contigo ou vais sozinho passear o cão e despejar o lixo? (Controlo e Suporte/afeto).

 

A dimensão suporte/afeto reúne os comportamentos dos pais que contribuem para que a criança se sinta confortável e aceite enquanto pessoa, enquanto a dimensão controlo é instrumental e agrupa os comportamentos encetados pelos pais para orientar o comportamento da criança no sentido desejado. Uma socialização eficaz da criança deverá contemplar estas duas dimensões da parentalidade de um modo flexível e adaptado às situações e características da criança (Grusec & Ungerer, 2003). Link

 

Os pais autorizador/orientador equilibram o afeto e o controlo dirigidos à criança, na medida em que se preocupam com o seu bem-estar e atribuem-lhe alguma autonomia para escolher e, reciprocamente, promovem a maior responsabilização de acordo com o seu desenvolvimento. Estas características parentais promovem a assertividade, a responsabilidade, a auto-confiança, a satisfação, a internalização e o auto-controlo, pelo que contribuem para um melhor desenvolvimento cognitivo, emocional e social. Os pais autoritários exigem submissão e obediência indiscutível às regras, não à espaço para a criança dar a sua opinião e expressar os seus sentimentos o que gera uma frustração crescente na criança que pode dar lugar a agressividade e rebeldia. Link