OPINIÃO PÚBLICA

O paradoxo do direito natural à felicidade

A felicidade é afinal um bem pelo qual se tem que necessariamente lutar


Por:Fernando Almeida

Cristian Newman
2016-08-22
A ‘felicidade só existe de forma mais ou menos efémera como consequência da obtenção de algo difícil de obter. Portanto tudo o que é oferecido sistemática e universalmente perde a capacidade de gerar felicidade

Tem-se vindo a consolidar na Europa a convicção de que todo o cidadão ao nascer deve ter a felicidade como direito garantido. O assunto combina bem com uma certa ideologia que desresponsabiliza os jovens a partir da mais tenra idade, dando-lhe desmedidamente mais direitos que deveres. Podendo parecer uma questão meramente teórica e com pouco interesse para a vida quotidiana de cada um de nós, ela é, bem pelo contrário, de grande interesse prático e atualidade, dado que é nessa forma de pensar que são ancorados inúmeros comportamentos e normas sociais e legais. Vou apenas centrar a questão no conceito de “direito natural à felicidade” como consequência das condições de vida, já que penso que é pela sua própria natureza inatingível. Repare-se:

 

As condições que proporcionam a felicidade, e que podem ser objeto de intervenção ou regulamentação, são essencialmente de ordem material e social (donde se excluem as de caráter afetivo, religioso e outras), e podem ser asseguradas ao indivíduo através das ações da sociedade e de suas organizações (assumindo aqui o Estado um papel preponderante);

 

A felicidade é evidentemente um conceito difuso e algo subjetivo, mas no caso que aqui trato resulta sobretudo das situações em que o indivíduo consegue obter algo que desejou, e que tomou como sendo de obtenção não garantida;

 

Quando, como consequência lógica do “direito natural à felicidade”, se oferecem indiscriminadamente a todos os cidadãos as condições materiais e sociais necessárias e suficientes para a sua obtenção, essas condições perdem a natureza de “desejo satisfeito”, e logo perdem a capacidade de gerar felicidade.

 

Podemos perceber deste modo que existe um paradoxo neste assegurar do “direito à felicidade”, e que resulta precisamente da sua natureza: a “felicidade” só existe de forma mais ou menos efémera como consequência da obtenção de algo difícil de obter. Portanto tudo o que é oferecido sistemática e universalmente perde a capacidade de gerar felicidade.

 

É evidente que esta ideia geral e um tanto abstrata e subjetiva, tem inúmeras consequências práticas ao mesmo tempo que permite compreender fenómenos aparentemente estanhos. Por exemplo, existem sérios problemas de depressão e situações de suicídio em países que garantem aos seus cidadãos boas condições de vida, e logo onde se esperaria encontrar povos com elevados níveis de felicidade. Parece que, tal como o nosso sistema imunitário “enlouquece” quando vivemos em ambientes estéreis e o nosso corpo não recebe qualquer tipo de agressão do exterior, também o nosso espírito perde a energia e o estímulo para a vida quando tudo corre “demasiado bem durante demasiado tempo”.

 

Os nossos velhos falam de uma realidade que não sabem explicar e que se relaciona com esta questão. Dizem eles que “no tempo da fome” (referem-se ao tempo da sua juventude, nos anos 30, 40 ou mesmo 50 e 60) se passava muito mal, mas que ao mesmo tempo havia muito mais alegria nas pessoas: “hoje há tudo, mas andam sempre tristes!”. Dizem mais: “com um simples pão, uma linguiça e um caneco de vinho se fazia uma festa, e era uma alegria”. Não se pense contudo que a felicidade nascia da fome, e evidentemente estes exemplos não servem para advogar más condições de vida. Mas é preciso perceber que a felicidade resultava simplesmente da sua satisfação das necessidades feitas desejo.

 

Repensemos por isto a nossa relação com os bens materiais e forma como temos vindo a educar os nossos jovens. Criamos para eles um mundo de direitos quase sem deveres, onde tudo lhes é oferecido sem que para isso tenham que despender grande esforço. E, surpresa ou talvez não, não são mais felizes por isso. Tudo o que a vida lhes traz de bom (e é geralmente muito) é por eles desvalorizado e indiferente; as pequenas contrariedades com que têm que se confrontar são vistas como dramas geradores de profunda infelicidade, e quantas vezes de séria depressão.

 

 A felicidade é afinal um bem pelo qual se tem que necessariamente lutar, mas que não pode ser nem inatingível nem oferecida graciosamente. 

 

Pensem nisto.