INCÊNDIOS

Governo mete Odemira de prevenção para calamidade pública

O despacho impõe medidas excepcionais preventivas

2017-08-22
Proibidos trabalhos agrícolas com tractores

O Governo emitiu um despacho onde impõe medidas excepcionais preventivas de calamidade pública, devido aos elevados riscos de incêndio nos próximos dias num conjunto de concelhos do país, incluindo Odemira.

 

Enquanto vigorar o período de calamidade, fica proibida a utilização de fogo-de-artifício ou outros artefactos pirotécnicos, independentemente da sua forma de combustão e as autorizações de lançamento já emitidas ficam suspensas.

 

Existe também a proibição total da utilização em todos os espaços rurais de máquinas de combustão interna ou externa, onde se incluem todo o tipo de tractores e máquinas agrícolas ou florestais, bem como realização de trabalhos nos espaços florestais com recurso a motorroçadoras, corta-matos e destroçadores.

 

Destaque também para a proibição do acesso, circulação e permanência no interior dos espaços florestais, previamente definidos no Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios (PMDFCI) de cada concelho.

 

O despacho prevê ainda mobilizar as Forças Armadas na vigilância e um aumento do grau de prontidão e mobilização das forças policiais com autorização da interrupção de licenças e férias, se necessário.

 

Excepcionalmente, os funcionários públicos e privados que integrem os bombeiros voluntários, ficam dispensados dos seus serviços, tendo os mesmos direito a dois dias de descanso compensatório por cada dia de empenhamento certificado pelo respectivo comandante de bombeiros.

 

“O país tem sido severamente fustigado por incêndios florestais de grande dimensão, que têm colocado enormes exigências ao Dispositivo Operacional de Combate a Incêndios Florestais (DOCIF) e a todos os agentes de Protecção Civil dos concelhos afectados”, justifica o Governo em despacho.

 

De acordo com as previsões meteorológicas para os próximos dias, em particular para o fim de semana, o risco de incêndio será extremamente elevado, com especial incidência nos distritos do interior do Centro e Norte do país e em alguns concelhos dos distritos de Beja e do Algarve. 

 

por Ricardo Vilhena (não usa AO)