OPOSIÇÃO

Novas competências da câmara sob o olhar atento do BE

Pedro Gonçalves promete questionar de forma positiva

2017-11-05
O Bloco de Esquerda tem apenas um membro na Assembleia Municipal de Odemira mas consegue o milagre da multiplicação das moções e promete levar à discussão todos os pontos do seu programa eleitoral

Pedro Gonçalves, eleito membro da Assembleia Municipal de Odemira, pelo Bloco de Esquerda, está expectante em relação ao anunciado “pacote de descentralização de competências para as autarquias e qual o seu impacto em áreas como a educação ou a segurança”. Convidado pelo MERCÚRIO a dizer quais os desafios que o concelho vai enfrentar e como tenciona o BE de Odemira agir na oposição, Pedro Gonçalves adianta que “muito há por fazer na educação em Odemira”. “É um tema onde serão apresentados novos desafios que enfrentaremos”, garante.

 

“Muitos são os desafios pelos quais iremos à luta e todos os pontos do programa eleitoral com que o Bloco de Esquerda se apresentou às últimas eleições estarão sempre em discussão e terá que haver uma especial atenção a temas que não podem ser mais sacrificados, como a Saúde”, promete.

 

Apesar de ser a única força partidária com um único membro na Assembleia Municipal de Odemira, o Bloco de Esquerda parece ter energia para dar e vender, pelo menos a avaliar pelos números fornecidos por aquela força partidária em comunicado de imprensa. De acordo com esses dados, o Bloco conseguiu aprovar, no mandato anterior, “15 documentos, contra 9 dos 11 deputados do PS, dois dos sete deputados da CDU e um dos dois deputados da coligação PSD/CDS”. “Os números são eloquentes e não deixam margem para dúvidas”, avalia Pedro Gonçalves. 

 

Entre os documentos aprovados, destaque para a moção contra a prospecção e exploração de hidrocarbonetos na Costa Vicentina, apresentada pelo deputado eleito pelo BE, Pedro Gonçalves e aprovada no dia 26 de Fevereiro de 2016. “Apesar do debate aceso a que deram origem, as moções em defesa da Tarifa Social da Água e contra o uso de glifosato em Odemira não viriam a ser aprovadas neste mandato, mas ainda prometem dar muita luta”, lembra a mesma fonte. 

 

A energia demonstrada aparenta ter sido recompensada nas urnas. O Bloco aumentou a votação de quatro para sete por cento na Assembleia Municipal e Pedro Gonçalves terá oportunidade de continuar a intervir. O responsável bloquista encara o trabalho na assembleia como uma oportunidade de “levantar novas questões e por apresentar iniciativas próprias, que terão ou não o apoio dos outros partidos”. “Estaremos atentos como sempre, contestaremos e questionaremos o que houver a questionar, mas sempre numa perspectiva positiva e de construção de melhores soluções para o concelho”, defende. 

 

O membro do BE considera ainda que a Assembleia Municipal é “um espaço onde, a partir do nosso território, se pode e deve pressionar ou condenar o poder central em relação a decisões que tardam em ser justas ou nunca o são”.

 

por Ricardo Vilhena (não usa AO)