INTERNET

Alentejo é a zona do país com menos Internet em casa

Ligação de banda larga também é a mais baixa a nível nacional

2017-12-11
A maior parte da população utiliza os computadores e telemóveis para fazer compras

O Alentejo é a zona do país com a menor percentagem de famílias com ligação à Internet e ligação através de banda larga. O Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Famílias, publicado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) em Novembro, revela que apenas 66,7 por cento dos agregados alentejanos tinham ligação à Internet e 65,8 por cento tinham ligação através de banda larga, menos dez pontos percentuais que a média do país.

 

Para este estudo, o INE considerou como universo os agregados domésticos residentes no território nacional em alojamentos não colectivos, com pelo menos um indivíduo entre os 16 e os 74 anos e apresenta os dados para as regiões Norte, Centro, Área Metropolitana de Lisboa, Alentejo, Algarve e Regiões Autónomas dos Açores e Madeira. Os números revelam que o Alentejo está cerca de vinte pontos percentuais abaixo da Área Metropolitana de Lisboa que regista valores na ordem dos 85 por cento.

 

Também nas regiões autónomas dos Açores e da Madeira se registam níveis de acesso em casa através de banda larga superiores à proporção nacional, respectivamente, com 84 e 81 por cento.

 

Quanto à utilização da Internet, em 2017, 34 por cento da população residente com idade entre 16 e 74 anos referiu ter utilizado a internet para fazer encomendas de produtos ou serviços. Este valor mais do que duplica face ao início da década, pois era de 15 por cento , em 2010. Apesar do expressivo aumento, a proporção de pessoas que, em Portugal, efectuaram compras pela internet mantém-se significativamente abaixo da média da União Europeia (menos 24 pontos percentuais em 2016).

 

O estudo tem outras conclusões interessantes: a utilização desta tecnologia encontra-se hoje generalizada para os estudantes, os jovens até 34 anos e as pessoas que concluíram o ensino superior. No ano em análise, 79 por cento dos utilizadores de Internet acedeu à rede em mobilidade, usando principalmente smartphone (76 por cento).

 

De acordo com o INE, a taxa de utilização da Internet para preencher e enviar impressos oficiais é de 42 por cento em 2017, mais 6 pontos percentuais do que em 2010.

 

por Ricardo Vilhena (não usa AO)