SOLIDARIEDADE

Banco Alimentar recolhe 2,8 toneladas de alimentos em Milfontes

Odemira conseguiu angariar 1,8 toneladas

2018-01-31
Parte dos bens doados vão ser distribuídos em Milfontes através da Loja Social da junta de freguesia local

A campanha do início de Dezembro do Banco Alimentar Contra a Fome angariou 2.853 quilos de alimentos em Milfontes. Ao que o MERCÚRIO apurou junto da organização, a operação de recolha realizou-se junto de cinco supermercados da localidade, envolvendo 67 voluntários, das quais 34 eram adultos. Entre as crianças e jovens a organização destaca a ajuda dos Escuteiros. Odemira, por seu lado, conseguiu recolher 1.854 quilos de alimentos.

 

Recorde-se que a Loja Social da Junta de Freguesia de Vila Nova de Milfontes recebe alimentos do Banco Alimentar para distribuição pela população carenciada. A Loja Social revê anualmente os processos para garantir que os alimentos cheguem a quem mais precisa.

 

A Loja Social recebe do Banco Alimentar, em média, entre 250 a 300 quilos de bens alimentares por mês, o que significa que dos 2.853 quilos recolhidos nesta última campanha, 1.650 Kg (57,8%) regressarão a Milfontes e vão ajudar as 72 pessoas inscritas.

 

A missão da Loja Social tem sido apoiada também por outras entidades da região, nomeadamente as empresas. A Campo Sol, a Vitacress e a Frupor, fornecem os produtos frescos, vegetais e frutas, que complementam os cabazes mensais. 

 

Pontualmente, com especial incidência na época natalícia, outras entidades e eventos promovem também recolhas de alimentos que depois são reencaminhados para a Loja Social, tais como: o Clube Desportivo Praia de Milfontes, a Taipa, o Desfile de Moda com o produto, em géneros, das entradas e do leilão e o Coro “Vozes Divertidas” que este ano, aquando do seu sarau musical, se juntou também a esta iniciativa.

 

No que diz respeito ao Alentejo Litoral, que está sob a alçada do banco Alimentar de Setúbal, foram angariadas perto de 25 toneladas e meia, numa área entre Alcácer do Sal e São Teotónio. Esta última localidade ficou de fora este ano por falta de voluntários.      

 

Os alimentos foram empacotados e acondicionados num armazém em Vila Nova de Santo André, cedido gratuitamente para o efeito. São depois distribuídos mensalmente pelas diversas associações sem fins lucrativos que se candidataram e foram aceites pelo Banco Alimentar de Setúbal. 

 

Ricardo Vilhena (não usa AO)