FESTIVAIS

Terras Sem Sombra tem paragem obrigatória em Odemira

Festival celebra a 14ª edição este ano

2018-02-28
Na Igreja da Misericórdia nos dias 17 e 18 de Março

O Festival Terras Sem Sombra chega a Odemira nos dias 17 e 18 de Março. O arranque do evento contará com a abertura ao público do Moinho de Vento dos Moinhos Juntos, no dia 17 (sábado). À noite, será a vez da Igreja da Misericórdia de Odemira receber o concerto de música com Vena Piano Trio. Por último, o Promontório sobre falésias: a Bio-Geodiversidade do Cabo Sardão terá lugar no dia 18 (domingo).

 

O festival conta com três programações diferentes: o programa património, onde se dá a conhecer espaços habitualmente fechados ao público, o programa música em que os palcos são sempre monumentos culturais e o programa biodiversidade.

 

O palco principal do programa património e o motor de arranque do festival será o Moinho de Vento dos Moinhos Juntos. Às 15h, no dia 17 (sábado), todos os caminhos vão dar a este moinho, que ainda se encontra em boas condições de funcionamento. A abertura deste espaço é dar a conhecer ao público que ainda não teve a oportunidade de visitá-lo e reflectir sobre o uso sustentável das energias renováveis. Este programa conta com a colaboração da Câmara Municipal de Odemira e com o apoio do Centro da UNESCO de Arquitectura e Arte. 

 

O programa música, terá como cenário a Igreja da Misericórdia de Odemira. Às 21h30 de sábado, teremos o prazer de conhecer o projecto “Ontem, Hoje e Amanhã: Obras de Carrapatoso, Kodály e Chopin” protagonizado pelo grupo Vena Piano Trio. O grupo conta com três elementos: no piano, a portuguesa, Andrea Fernandes. No violino, a húngara, Erzsebet Hutás e no violoncelo, Kamila Slodkowska, de origem polaca.

 

Por último, no programa biodiversidade, no dia 18 (domingo) pelas 10h, poderemos assistir a um Promontório sobre falésias: a Bio-Geodiversidade do Cabo Sardão. Aqui debater-se-á a questão das falésias negras e das arribas xistosas degradadas pelo movimento das placas tectónicas, à adaptação da cegonha branca em habitat alentejano e ao único elemento de intervenção humana presente na mesma, o farol por lá construído em 1915.

 

Este programa contará também com o apoio da Câmara Municipal de Odemira, com a Escola de Ciências e Tecnologias da Universidade de Évora e terá a colaboração da Associação Tic-Tac.

 

A valorização do património cultural, dos recursos naturais e a sensibilização das comunidades locais para a sua salvaguarda constituem as grandes prioridades deste festival. Ao longo das suas edições, tem dado resposta à inclusão social e à sustentabilidade, promovendo desta forma os produtos regionais de excelência e insistindo no conhecimento inovador do tecido social e económico da região, assentado no empreendedorismo empresarial, na integração da população mais carenciada ou com alguma deficiência, na correcção de assimetrias ambientais e na projecção de monumentos locais de grande importância cultural e ambiental.

 

A entrada em todos os programas é gratuita. Apela-se apenas à preservação dos espaços e monumentos visitados. Para conhecer detalhadamente os programas do festival noutros concelhos, basta aceder à página de Facebook ou ao website do Terras Sem Sombra.

 

 

Dário Loução (não usa AO)