AMBIENTE

Odemira aprova moções contra o petróleo e o glifosato

Aprovadas por unanimidade

2018-07-19
Foram aprovadas duas moções apresentadas pelo Bloco de Esquerda contra a prospecção de petróleo e utilização de glifosato, na Assembleia Municipal de Odemira

A Assembleia Municipal de Odemira decidiu manifestar a sua oposição à recente decisão da Agência Portuguesa de Ambiente, ratificada pelo Ministério do Ambiente, contra a prospecção e exploração de petróleo e gás na costa portuguesa sem avaliação de impacte ambiental, tendo em conta a posição conjunta tomada pelos municípios do Algarve e de Odemira, assim como a grande concordância na posição de rejeição demonstrada pelas populações afectadas na Costa Vicentina.

 

Encontrar alternativas à aplicação de herbicidas com base de glifosato, em espaços públicos do concelho, a Assembleia Municipal de Odemira recomendou ao Município de Odemira e a todas as juntas de freguesia a utilização de métodos de controlo de infestantes menos agressivos e poluentes, ao dispor das autarquias, e o fim da aplicação de fitofármacos à base de glifosato, em todo o seu território.

 

Os presidentes de junta manifestaram grande vontade e abertura e a Assembleia Municipal de Odemira aprovou a recomendação às Juntas de Freguesia e ao Município, mas ficou também alerta de que sem glifosato, os olhos dos munícipes terão de se habituar a mais ervas nos espaços públicos.

 

O glifosato, um dos herbicidas mais produzidos em Portugal e no concelho de Odemira, foi classificado como “provável cancerígeno” pela Organização Mundial da Saúde. As versões comerciais do glifosato (a mistura de componentes) aplicadas nos espaços públicos são ainda mais tóxicas que o glifosato isolado e contêm doses elevadas de metais pesados (arsénio, chumbo, níquel, entre outros).

 

Dário Loução (não usa AO)