ARTE URBANA

Brejão acolhe Amália em quatro murais

Arte urbana em Odemira

2018-10-15
Smile1art deu nova vida à aldeia do Brejão, recriando Amália Rodrigues
em quatro fases da sua vida

Durante todo o mês de Agosto, o artista Ivo Santos, que assina como Smile1art, esteve a dar uma nova vida a quatro murais, em empenas de edifícios, na aldeia do Brejão, freguesia de São Teotónio, dedicados ao percurso artístico e de vida da fadista Amália Rodrigues.

 

O MERCÚRIO fez-se à estrada e rumou até ao Brejão para conhecer o artista que está a dar vida às paredes da localidade. Ivo Santos confessa-nos: “vim até aqui através do presidente da Associação Cultural, Desenvolvimento Económico e Social do Brejão, Tó Zé Ramos, em conjunto com uma pessoa que me conhece e que está também ligada a esta zona, que achou que eu era a pessoa mais indicada para representar a Amália o mais fiel possível”.

 

Após esse convite e proposta apresentada, o Município de Odemira aceitou o desafio e convidou o artista para ilustrar, nesta mostra de arte no Brejão, a evolução da vida e obra, desde a sua juventude até ao final da sua carreira, de uma das fadistas mais icónicas do panorama nacional, Amália Rodrigues.

 

Relativamente ao lugar escolhido, Smile1art diz-nos que “as paredes estabelecidas foram logo estas e têm uma leitura boa. Fui logo aceite pela população uma vez que existe uma grande ligação entre a Amália e o Brejão. Todas as pessoas gostavam dela, e isso ajudou bastante que as pessoas dessem autorização para esta intervenção”.

 

Amália Rodrigues passará, desta forma, a fazer parte duradoura da paisagem, de modo a transmitir, por quem lá passa, todo o carinho que a fadista deu ao concelho de Odemira e da mesma forma que foi acarinhada pela população, em especial no Brejão.

 

Esta iniciativa faz parte do evento “Odemira recorda Amália”, promovida pelo Município de Odemira, com o apoio da Fundação Amália e da Associação Cultural e Desenvolvimento Económico e Social do Brejão, uma homenagem à fadista que decorreu este mês de Outubro.

 

Manter viva a memória desta grande figura da cultura nacional e a ligação que Amália Rodrigues manteve com Odemira ao longo da sua vida (a título de exemplo a criação do Posto Médico do Brejão, financiado com rendimentos da Fundação Amália Rodrigues) são os principais objectivos deste evento evocativo.

 

 

Sobre o artista…

 

Ivo Santos nasceu em Lisboa, em 1985. Desde muito cedo que despoletou interesse pelo desenho, impulsionado pela sua mãe, mas foi através de dois primos que tudo se transformou numa paixão.

 

Na década de 90, descobriu o amor pela cultura Hip Hop, abraçando o graffiti como vertente a seguir. No início do ano 2000, arriscou pela primeira vez a pintura em spray, utilizando o pseudónimo Smile1art, com latas de uma loja de ferragens. Como não obteve o resultado desejado, dedicou os tempos seguintes a aperfeiçoar a sua técnica e os materiais.

 

No ano seguinte decidiu regressar às ruas para mostrar o seu talento, vencendo o Concurso de Graffiti em Odivelas e a partir daí surgiram as suas primeiras intervenções, na sua grande maioria para a Junta de Freguesia da Ramada, local onde residia.

 

Em 2004 venceu novamente o Concurso de Graffiti, desta vez em Oeiras, o mais importante até à data. Seguiram-se dois segundos lugares, em 2005 e 2006, cimentando o seu nome na elite artística portuguesa, atingindo o estatuto internacional em 2009, ao vencer um concurso em Barcelona, frente a nomes consagrados da arte urbana mundial.

 

Em declarações ao MERCÚRIO, Smile1art afirma que a sua base está no graffiti, “que são apenas letras e que tem ainda a sua vertente ilegal”, no entanto, o que faz actualmente “não tem termo definido, talvez ‘muralista’ ou ‘pintura artística’, não sei, utilizo apenas o spray como ferramenta pois é a que mais gosto de utilizar”, refere.

 

Através da sua arte, fez trabalhos para entidades como a Nissan, Mc Donald’s, Billabong, Red Bull, entre outras, e ganhou patrocínios da LRG Clothing e DVS Shoes. 

 

O ponto alto da sua actividade como artista de arte urbana foi em 2013, onde retratou em Loures, na Quinta da Fonte, um jovem com uma história médica complicada que gerou uma onda de solidariedade mediática que resultou na resolução do problema. O mural do “Bartolo” ficará para sempre como um case study de como a arte urbana pode ajudar a resolver problemas sociais.

 

A internacionalização da sua arte tem vindo a decorrer com convites para participar em eventos no Reino Unido, Espanha, França, Alemanha, Suíça e Brasil. Criou a Primeira Arte Atelier&Gallery, um espaço aberto ao público, e que serve de local de exposição e apresentação de projectos (visuais e sonoros) de artistas nacionais e estrangeiros.

 

Actualmente é o presidente da ACUParte, uma Associação Cultural que tem por objectivo promover e dinamizar a Cultura Urbana por todo o país, através da experimentação, inovação e desenvolvimento em artes visuais, performativas e sonoras.

 

“Apesar de estarmos mais ligados à arte urbana, a ACUParte tem em vista fazer um evento mais generalista, de forma a conseguir captar mais pessoas e outras linguagens”, afirma o artista.

 

por Dário Loução (não usa AO)