PALAVRA DE PALHAÇO

São Consumim

Todos precisamos de alguém que nos anime a viver


Por:Enano Torres

2019-02-20
São Valentim deixou de ser sinónimo de atração emocional para dar lugar ao espaço mais consumista

Lembro-me, quando era criança, ao aproximar-se o dia 14 de fevereiro, que tudo era um acontecimento na escola, no bairro. Quanto mais a data se aproximava mais novos casais esporádicos iam surgindo para aquele dia - além dos namoros mais clássicos da escola que normalmente costumavam ser os mais inteligentes da turma, os que nunca chumbavam, nascidos um para o outro, aqueles que nunca partiam um prato.

 

O mais dificultoso nos anos 80 era a forma de pedir namoro. Quase sempre era o rapaz a dar o primeiro passo junto da rapariga, fosse diretamente ou através de carta romântica escrita a mão, de uma mensagem num pequeno papel, de um bonito desenho ou ainda de uma poesia. A entrega era feita através do nosso melhor amigo ou da melhor amiga da rapariga que se desejava namorar, fazendo a vez de “pomba mensageira”. Era toda uma odisseia pedir e arranjar namoro. No meu caso, tornava-se chato pedir namoro à moça da minha infância, Macarena, pois eu ficava gago quando tinha que pedir o namoro oficial. Ainda esperava que o imaginário Cupido lhe acertasse com uma seta, lançada a meu favor, claro, mas o desvio era tão evidente que a tal Macarena namorou por longos anos com outro rapaz, sempre pela altura do São Valentim.

 

Mesmo assim, lembro-me das cartas de amor da minha autoria, onde a poesia de cada palavra iluminava a folha que ia, ao ser entregue, acompanhada de beijos no papel. Estas coisas, hoje em dia, com as tecnologias, são muito mais frias, distantes e pouco emotivas. Basta abrir qualquer rede social para verificarmos a importância material do São Valentim. Deixou de ser sinónimo de atração emocional para dar lugar ao espaço mais consumista, fundamentado na compra de flores, joias, livros ou num jantar. Celebra-se a obtenção das prendas mas quase ninguém agradece ao destino a oportunidade que lhe brinda por conhecer o amor.

 

Todos precisamos de alguém que nos anime a viver, que torne mais fácil o simples facto de acordar cada dia com um motivo para sorrir, que olhe e saiba ver as nossas inseguranças e medos sem precisar de lhos contar, alguém que nos dá calor e conforto nos dias frios de inverno e frescura colorida nos calores do verão, que saiba suportar os nossos problemas, que respeite o nosso espaço quando precisamos de estar sós e que saiba nos dar um abraço no momento certo e necessário. Tudo isso eu desejaria que também tu tivesses no teu dia-a-dia, sem necessidade de esperares pela chegada do dia de São Valentim para que, à pressa, te arranje um cibernético par. Chega mostrares, a cada dia, seja no mês que for que, para ti, a tua pessoa amada torna cada momento “São Especial” pelo simples facto de tu a teres como companhia.

 

Pelo que, mais do que te desejar um feliz dia de São Valentim, desejo-te que sejas Valente em conquistar a companhia de que precisas para tornares os teus dias mais felizes e partilhados com a bênção do convívio. E, por favor, se não recebeste um presente nesse dia assinalado, não é porque a tua “meia laranja” não gosta de ti, é apenas porque o melhor presente é tê-la no momento exato que precisas seja ele bom ou menos bom.

 

No caso de precisares urgentemente de um Cupido entra em contacto comigo que eu conheço perfeitamente o Anjo maroto da foto.

 

Enano Torres