PALAVRA DE PALHAÇO

Carta Aberta ao Papa Francisco

Prefiro ser agnóstico e Palhaço


Por:Enano Torres

2019-06-19
Dirijo-me a Sua Santidade como homem, porque é um homem quem ostenta o cargo de sumo pontífice da Igreja Católica

Sr. Jorge Mario Bergoglio,

 

Há tempos que desejo escrever-lhe, por ser, o senhor, o sumo pontífice da maior construção económica e tirânica do mundo. Permita-me que o trate por Papa Francisco, para que seja mais fácil os leitores o identificarem.

 

Imagino que sua capacidade de aceitação, empatia e perdão seja infinita e eterna. A minha não. Existem centenas de páginas provenientes de diferentes relatórios sobre abusos sexuais e outras torturas contra meninos e meninas por sacerdotes e outros membros da Igreja Católica.

 

Dirijo-me a Sua Santidade como homem, porque é um homem quem ostenta o cargo de sumo pontífice da Igreja Católica, da mesma forma que são homens os 300 indivíduos que durante mais de sete décadas têm abusado, violado, torturado e maltratado as crianças na Pensilvânia (dados registados no relatório da Suprema Corte da Pensilvânia que há meses saiu à luz).

 

Mas o senhor sabe, tanto como eu, que esses trezentos são apenas um grão de areia em todo vosso esquema de delitos, certo? Itália, Grã Bretanha, Alemanha, Estados Unidos da América, Austrália, Irlanda, Áustria, Polónia, Argentina, Chile, Colômbia, Espanha... enfim, lá por onde seus camaradas tem passado a proclamar a "palavra de Deus"

 

Li a sua carta de desculpas. Mas as desculpas, como se diz em Portugal, evitam-se. Ainda por cima, sabendo o Vaticano que os abusos vêm sido praticados pelo menos desde 1963. O senhor pede agora desculpas porque os seus camaradas foram apanhados.

 

A nossa sociedade não soluciona a tortura e violação com arrependimentos nem com desculpas mas com leis e suas consequências. Para os senhores, na sociedade paralela em que vivem, a tortura habitual e geral a crianças é um pecado; para a nossa sociedade é um crime. Para os senhores, ocultar a verdade é um segredo que um homem sussurra a outro com uma respiração doentia; para nós é um delito.

 

“Com vergonha e arrependimento, como comunidade eclesial, assumimos que não soubemos estar onde deveríamos estar, que não agimos a tempo para reconhecer a dimensão e a gravidade do dano que estava sendo causado em tantas vidas”.

 

Papa Francisco essas palavras não apagam as atrocidades cometidas durante tantas décadas. Ainda por cima quando tanto Wojtila como Ratzinger tinham conhecimento do que se passava.

 

Com tudo isto, e aquilo que não sabemos, não nos peçam que acreditemos na vossa Igreja cheia de riqueza e violadores. A minha surpresa é: como é que continuam ter milhões de seguidores pelo mundo fora? Da minha parte recuso o vosso Império. Prefiro ser agnóstico e Palhaço e seguir "pecando" através de Risos por e para o Mundo!

 

Enano Torres