Natal

O natal nunca chega de mansinho, muito pelo contrário. De um dia para o outro, e sem aviso prévio, as ruas enchem-se de decorações, nas lojas as músicas natalícias agarram-se aos nossos ouvidos e os anúncios de supermercado, em vez de frango no espeto, vendem hipopótamos aos saltos. Mas, por estranho que pareça, eu gosto do natal. Gosto de dar e receber (seja de que forma for), de cantar as tais músicas festivas, empanturrar-me de doces que só vejo uma vez por ano e garantir que vejo toda a família junta mais vezes do que vejo os doces. Feliz Natal.

Deixe uma resposta