Ações começam por baixo – o menos visível também é visto

O “Canal”, assim conhecido em Vila Nova de Milfontes, apresenta sinais de descuido ambiental junto à casa dos pescadores.

Descuido e carência de consciencialização para a importância das atitudes sustentáveis
Uma das freguesias do concelho de Odemira que conta com um número significativo de pescadores, que recentemente disponibilizou casas de abrigo para as artes e materiais de pesca. Junto a estes espaços, existe descuido e carência de consciencialização para a importância das atitudes sustentáveis no decorrer deste ofício.

Vila Nova de Milfontes, localizada na costa do Alentejo, é contemplada por um imenso mar.

O “canal” é o abrigo de muitos pescadores. Neste lugar existem pequenos espaços onde são armazenados alguns materiais utilizados no mar.

Para tudo isso, as condições foram garantidas aos pescadores, mas o respeito pelo que eles têm à sua disposição e pela natureza continua a revelar desequilíbrios. Existem várias maneiras de reutilizar, armazenar ou até mesmo colocar no lixo, sem optar pelos caminhos mais fáceis. A fossa no chão não é o local apropriado para entrar em contacto com esses materiais. Desta forma, a sustentabilidade ambiental não é garantida.

António Campos, um dos moradores da região argumenta que cada pescador deve encontrar estratégias para gerenciar esse espaço comum, cuja solução deve ser apropriada ao seu trabalho e ambiente.

por Filipa Murta*
*Estudante da UAlg, JRA pela Associação Bandeira Azul da Europa, a concorrer para o Concurso Internacional Jovens Repórteres para o Ambiente

Deixe uma resposta