Quercus devolve peixes em perigo de extinção ao meio natural em Odemira Ação de repovoamento liberta mil peixes autóctones reproduzidos em cativeiro na ribeira do Torgal, em Santa Luzia

Squalius torgalensis (Escalo-do-Mira)

Hoje, dia 8 de abril, a Quercus procede à libertação no meio natural de cerca de mil peixes autóctones reproduzidos em cativeiro, numa ação que ocorre na ribeira do Torgal, em Santa Luzia, Odemira. Os peixes a libertar pertencem às espécies Iberochondrostoma almacai (Boga-do-sudoeste) e Squalius torgalensis (Escalo-do-Mira), espécies em perigo de extinção, e foram reproduzidos no Posto Aquícola de Campelo – Figueiró dos Vinhos.
Esta libertação de peixes ameaçados de extinção surge no âmbito do projeto «Conservação ex situ de organismos fluviais», dinamizado pela Quercus, Aquário Vasco da Gama, MARE-ISPA e Faculdade de Medicina Veterinária, e conta como parceiro a Câmara Municipal de Figueiró dos Vinhos. O projeto está em curso desde 2008, com o objetivo reproduzir e manter populações ex situ de algumas das espécies de peixes de água doce mais ameaçadas no nosso país e foi, durante o ano de 2019, selecionado como projeto vencedor da iniciativa «Compensação Carbónica» da CTT Expresso, tendo sido igualmente um dos projetos selecionados e apoiados pelo Fundo Ambiental, no âmbito da candidatura ao Aviso «Conservação da Natureza e da Biodiversidade – Melhoria do conhecimento e do estado de conservação do património natural e da biodiversidade do país».
No âmbito do projeto «Conservação ex situ de organismos fluviais», a reprodução de peixes em cativeiro é desenvolvida no Posto Aquícola de Campelo, estrutura disponibilizada pelo Município de Figueiró dos Vinhos e gerida pela Quercus, no âmbito de uma parceria estabelecida, e em instalações do Aquário Vasco da Gama, situado em Oeiras.
No final do processo de reprodução e ambientação em cativeiro, os repovoamentos de peixes são efetuados em troços dos rios de origem (dos indivíduos inicialmente capturados para reprodutores) que apresentem características favoráveis à sobrevivência e reprodução dos peixes. Sempre que possível, estes troços encontram-se associados a projetos de recuperação de linhas de água, envolvendo cidadãos e entidades que localmente efetuam uma monitorização mais ou menos formal destas bacias hidrográficas.
Apesar do Estado de Emergência que se vive atualmente em Portugal, a Quercus decidiu manter esta ação de repovoamento, já prevista antes do início da pandemia de COVID-19, uma vez que é da maior urgência realizar a libertação dos peixes devido a obras de requalificação que vão acontecer no Posto Aquícola de Campelo, estrutura de onde provêm os peixes a libertar amanhã. Não sendo possível realizar, como tem sido habitual, uma ação pública de sensibilização nesta ocasião, a Quercus decidiu, como forma de minimizar os riscos associados, reservar a presença na ação a técnicos e voluntários envolvidos no projeto, que tomarão as medidas necessárias ao nível da segurança e higiene.
A ação de libertação de peixes está prevista para as 12.00 no Pego das Pias, ribeira do Torgal, em Santa Luzia, Odemira.

Sobre o Autor

Em 2015, mercúrio nascia em Odemira como jornal mensal em papel; libertando-se para uma existência apenas digital, com uma presença online renovada e dinâmica, quatro anos depois, corria o mês de Outubro.

Deixe uma resposta