Federação Nacional dos Médicos exige medidas sérias para proteger profissionais de saúde e utentes FNAM preocupada com a evolução da infeção pelo novo Coronavírus

A Federação Nacional dos Médicos emitiu, no passado dia 29 de fevereiro, um comunicado que exige medidas sérias para proteger profissionais de saúde e utentes relativamente ao COVID-19 (novo coronavírus), que o MERCÚRIO transcreve na íntegra:

“A evolução da infeção pelo novo Coronavírus (COVID-19) tem sido um assunto de grande preocupação, que a Federação Nacional dos Médicos (FNAM) tem acompanhado de perto.
Este é o tipo de problema para o qual a FNAM dispensa o aproveitamento político e alarme social.
Em relação às medidas adequadas para proteger a população, a FNAM reconhece a competência técnica da Direção-Geral de Saúde (DGS) e a sua função de Autoridade de Saúde Nacional.
É de primordial importância reconhecer que o cumprimento dos pressupostos estabelecidos nas Orientações Técnicas da DGS tem que ser aplicado por recursos técnicos e humanos em número adequado.
Como é do conhecimento geral, os serviços de saúde funcionam no limiar da sua capacidade.
Para os médicos, que trabalham diariamente num Serviço Nacional de Saúde com graves carências, coloca-se a dúvida sobre a capacidade instalada para lidar com um eventual aumento extraordinário da procura de cuidados e que envolve particulares condições de segurança.
A experiência nos países em que esta infeção tomou proporções significativas revela que os médicos, estando na linha da frente da assistência aos doentes, estão expostos a situações de risco muito elevado, com múltiplos casos de doença grave e desfechos fatais, nestes profissionais.
Por esta razão, a FNAM exige que sejam tomadas todas as medidas de segurança necessárias para proteger a saúde dos médicos, dos restantes profissionais de saúde e das suas famílias.
A FNAM tem conhecimento de várias situações preocupantes:
• Várias unidades de saúde com insuficiência de equipamentos de proteção, quer para utentes quer para profissionais;
• Insuficiência de salas de isolamento, onde os doentes possam ser acomodados e observados com segurança, se tal for necessário;
• A Linha de Apoio ao Médico tem um longo tempo de espera para atendimento;
• As Unidades de Saúde que têm um Plano de Contingência atualizado e adaptado a este novo agente infecioso são a exceção.
• A ausência de enquadramento legal adequado para as situações de absentismo laboral dos contactos próximos dos casos confirmados.

Exigimos a máxima seriedade e rigor no cumprimento das Orientações Técnicas e no tratamento de todos os envolvidos, onde nos incluímos, como defensores das condições de trabalho dos médicos e da segurança dos doentes.
A FNAM coloca desde já os seus recursos à disposição dos doentes e profissionais de saúde.

O Conselho Nacional da FNAM
Coimbra, 29 de fevereiro de 2020”

Contactos:
• Noel Carrilho – 964 316 486
• Rosa de Fátima Ribeiro – 911 092 907
• Guida da Ponte – 965 308 634

Sobre o Autor

Em 2015, mercúrio nascia em Odemira como jornal mensal em papel; libertando-se para uma existência apenas digital, com uma presença online renovada e dinâmica, quatro anos depois, corria o mês de Outubro.

Deixe uma resposta